Facebook Blog Twitter YouTube Downloads Colabore

Crianças, televisão e telejornais

menisjss

Sozinhas ou acompanhadas, as crianças assistem aos principais telejornais brasileiros. Diante deles, o público infantil tem acesso a uma variedade de informações, contextos e realidades nem sempre de fácil compreensão. Nos últimos dias, nem se fala. Os noticiários de TV – locais e nacionais – se dedicaram a cobrir a violência que tomou conta da cidade do Rio de Janeiro. Ônibus e carros incendiados. Carros de guerra. Policiais, militares, bandidos e população numa guerra urbana. Infelizmente, uma realidade vivida – ao vivo e a cores – por muitas crianças. Por outras, assistida pela tela da TV.

Trata-se de informação e não há como – nem poderia – censurá-la. Mas – se fosse possível – será que as crianças realmente precisariam acompanhar estas coberturas jornalísticas? Em que medida tamanha exposição favorece o entendimento dos fatos? Quais consequências isto pode gerar?

As perguntas não são tão fáceis de serem respondidas. Especialistas na área de Comunicação, Educação e Psicologia dizem que proibir o acesso não é a saída mais indicada. Afinal de contas, o que é apresentado faz parte do mundo em que as crianças vivem. Negar este acesso seria negar o conhecimento da própria realidade.

Realidade estampada nos telejornais que gera mal-estar, angústia e tristeza. Pelo menos foi o que constatou o Grupo de Pesquisa em Educação e Mídia (Grupem), da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Em setembro de 2004, o grupo veiculou um spot televisivo convidando crianças, com idades entre 8 e 12 anos, a enviar textos ou desenhos expressando sua opinião a respeito do que viam na tevê. O grupo recebeu cerca de 300 desenhos e 450 textos. A partir da análise de alguns desses materiais, o grupo pode traçar algumas considerações sobre as relações que as crianças estabeleciam com a tevê e, em especial, com os telejornais.

“Uma das questões mais evidenciadas nessa relação é o conflito que essas crianças vivenciam entre a necessidade de “saber o que está acontecendo” e o mal-estar que esse saber provoca nelas, pois a percepção de mundo que elas elaboram a partir dos telejornais parece ser, quase sempre, a de um lugar onde é impossível viver. Do que observamos até o momento, a representação da realidade veiculada pelos noticiários televisivos interfere na maneira pela qual as crianças elaborarem suas visões de mundo, provavelmente mais do que os desenhos animados que tanto preocupam professores, pais e especialistas”, destaca o artigo produzido por Rosália Duarte, Rita Migloria e João Alegria.

Fonte: Revistapontocom

Deixe seu comentário